Pessoa

Visita

Image Hosted by ImageShack.us

terça-feira, 3 de dezembro de 2013

Promoções da Leitura em Amoreira da Gândara, Poutena, Fogueira e Ferreiros.

"ursinhos na cama e a grande tempestade", "Não tenho sono", "O beijo da palavrinha", "É para isso que servem os amigos" de Juliá Hubery, "O fato Novo do Sultão" em " Contos para a Infãncia " de Guerra Junqueiro e "A minha mãe" de Anthony Browen.

Fátima Martins






quinta-feira, 28 de novembro de 2013

O passeio no Parque

Dia Internacional da Filosofia 21.11.2013

Relatório da Atividade
No dia 21 de novembro o grupo de filosofia, sob coordenação do professor Carlos Tavares, realizou atividades de comemoração do Dia Internacional da Filosofia.
Este dia foi instituído, em 2002, pela UNESCO e comemora-se na terceira quinta feira do mês de novembro. Pretendeu-se, com esta iniciativa, realçar a importância da Filosofia em toda a educação secundária, evidenciando o vínculo entre Filosofia e Democracia, entre Filosofia e Cidadania. Este ano comemoraram-se, também, os 2400 anos da Academia de Platão.
Cruzando as duas efemérides, realizaram-se ações comemorativas, que tiveram como palco a Biblioteca da Escola Secundária de Anadia, que envolveram as turmas C, B, E, e F do décimo primeiro ano e a turma E do décimo segundo. A atividade começou pela afixação de três cartazes, sem referir a disciplina, em momentos temporais distintos, criando expetativa e curiosidade, com as seguintes frases: "Saiam da caverna"; "Vejam o Sol"; "Saiam da caverna e vejam o Sol".
No dia 21 de novembro ocorreram duas palestras na Biblioteca, uma de manhã outra de tarde, que dilucidaram o conteúdo dos cartazes e que incluíram a leitura orientada de excertos da Alegoria da Caverna.
Os objetivos da atividade foram plenamente consumados.

Carlos Tavares

Comemora-se sempre na terceira quinta feira do mês de novembro
  • Este dia foi instituído pela UNESCO em 2002. Este organismo da ONU solicitou a todos os estados a introdução ou o alargamento da formação filosófica a toda a educação secundária, considerando substantivo o vínculo entre Filosofia e Democracia, entre Filosofia e Cidadania. Não há democracia sem debate racional de ideias/pontos de vista diferentes.
  • Esta aproximação entre a Filosofia e a manutenção e consolidação da vida democrática tem a ver com o reconhecimento do valor da aprendizagem desta disciplina não apenas no processo do saber de si, de cada um, como também no aperfeiçoamento do seu discernimento cognitivo e ético, contribuindo, assim, diretamente, para a capacitação de cada jovem para o juízo crítico e participativo da vida comunitária.
  • A este saber atribuímos três funções essenciais:
  1. "permitir a cada um aperfeiçoar a análise das convicções pessoais";
  2. "aperceber-se da diversidade dos argumentos e das problemáticas dos outros";
  3. "aperceber-se do carácter limitado dos nossos saberes, mesmo dos mais assegurados"
  • Em 2013 comemora-se, igualmente, os 2400 anos da Academia de Platão. Nela se formaram os grandes vultos do século V a.C., entre os quais Aristóteles, como o seu mais famoso discípulo.
  • A alegoria da caverna, um dos textos mais célebres de Platão, é uma metáfora emblemática do papel da Filosofia enquanto caminho para o conhecimento racional, o único com selo de verdade.
C.T. 2013/14 DIA INTERNACIONAL DA FILOSOFIA

quarta-feira, 19 de junho de 2013

Resultados do Concurso Escolar Ler & Aprender 2013

TEXTO LÍRICO:
1º CEB
1º Lugar – Maria de Matos Coelho – AEA - EB1 da Moita.
Menção Honrosa – Mariana Santos Ala Resende – CNSA.

2º CEB
1º Lugar – Mariana de Deus Soares Tavares dos Santos – CNSA.
Menção Honrosa: Rita Miguel Coimbra Semedo – CNSA

3º CEB
1º Lugar – Maria dos Santos Figueira – CNSA
Menção Honrosa – Lara Silva – AEA – EB23 Anadia.

Secundário
1º Lugar – Tânia Lopes – AEA – ESA.
Menção Honrosa – Afonso Pereira – CNSA.

TEXTO NARRATIVO
1º CEB
1º Lugar – João Rodrigo Lourenço Patrão – CNSA
Menção Honrosa – Menção Honrosa – Carolina Cardoso Fontes - CNSA.

2º CEB
1º Lugar – Maria Manuel Braga Martins – CNSA
Menção Honrosa – Raquel Neves Seiça – AEA – EB23 de Anadia.

3º CEB
1º Lugar – Sofia Pedrosa – AEA – ESA
Menção Honrosa – Clara Verdade Loureiro – AEA – EB23 de Anadia.

Secundário Secundário
1º Lugar – Patrícia Alexandra Nunes Breda – CNSA
Menção Honrosa – Joana Pereira Moniz – AEA – ESA.

Parabéns a todas pelo empenho! 
A entrega de prémios decorrerá na Biblioteca Municipal de Anadia no dia 6 de Julho de 2013 pelas 16 horas.

sábado, 18 de maio de 2013

Biblioteca Escolar na Feira da Saúde em Anadia

A Biblioteca da Escola Básica e Secundária de Anadia esteve presente, na Feira da Saúde, 18 de maio de 2013, no Pavilhão de Desportos de Anadia, a representar o Agrupamento de Escolas de Anadia com o projeto SOBE "Saúde Oral e Biblioteca Escolar".
Agradecemos a participação e colaboração dos alunos de Medicina Dentária João Lucas Monteiro, Nadine Caetano, Margarida Pereira e Miguel Silva.
Mais uma vez estiveram lado a lado a saúde e a leitura





segunda-feira, 8 de abril de 2013

Escritor Kalaf Ângelo em 28 -01- 2013 na ESA



Músico, cronista e editor discográfico. Nasceu em Benguela, em Fevereiro de 1978, cresceu numa família de funcionários públicos, com ligações a vila da Catumbela, lugar que visita com regularidade, na tentativa de traçar um mapa afetivo com as pessoas e lugares que habitam a sua memória.
Este encontro ficou marcado pela serenidade de um jovem escritor que num tom pausado e expressivo incitou ao trabalho, ao esforço e estudo para a concretização dos nossos sonhos. Assistiram a este encontro cerca de 120 alunos desde o 10º ao 12º anos.

quarta-feira, 27 de março de 2013

Palestras sobre Saúde Oral


Foram feitas palestras na Escola Básica de Sangalhos, na EB da Pista, no jardim de infância do Pereiro e Boialvo para os alunos do ensino pré- escolar e todos os alunos do 1º ciclo, pelos alunos de Medicina Dentária da Universidade Católica de Viseu,  Margarida Pereira e Miguel Silva.

Apresentaram um título imaginativo e enigmático: “E se a minha Escova de dentes falasse…”, do agrado dos alunos. Introduziram a temática perguntando-lhes que segredos, alegrias e tristezas é que as escovas de dentes contariam se fossem animadas. De seguida, apresentaram várias perguntas e respostas correspondentes sobre alguns hábitos importantes e cuidados a ter com a cavidade oral. Mostraram um filme animado, de seu título “Dr. Dentola e o Reino dos Dentes”, em que os mais pequenos mostraram particular atenção e onde puderam absorver o máximo de informação de forma lúdica.
Acabaram a apresentação e ainda observaram as bocas das crianças, de maneira a estes comunicarem aos pais o que teriam de fazer em casa ou eventualmente consultar o dentista. Foi um dia bem passado para todas as crianças.


“Desastre natural atingiu a nossa BE”

O mau tempo que varreu Portugal Continental no sábado, 19 de Janeiro, com ventos de 140 quilómetros por hora e chuvas intensas, resultou de uma “ciclogénese explosiva”. É um fenómeno raro, resultante da passagem de uma depressão muito cavada pelo norte do território do continente.

A madrugada do passado sábado trouxe mau tempo a Portugal Continental, com muitas chuvas e ventos fortes, que deixaram um rasto de destruição um pouco por todo o território, com quedas de árvores e casas inabitáveis.

O  distrito de Aveiro foi um dos mais atingidos pelos ventos fortíssimos e a nossa biblioteca sofreu uma infiltração que provocou danos irreparáveis: milhares de euros em livros todos ensopados, folhas coladas e livros descolados. A classe mais atingida foi a literatura, aquela que mais requisitamos.
Esta escola, Escola Básica e Secundária de Anadia já foi notícia de instalações precárias outrora, aguarda a conclusão da construção de uma escola nova, atualmente suspensa pelos problemas surgidos com o Parque Escolar.
A biblioteca escolar era o nosso porto de abrigo, sala de estudo, trabalho, pesquisa, leitura e o local onde imprimíamos todos os nossos trabalhos. As novidades literárias eram uma constante. Pedimos ajuda para conseguirmos repor algumas das obras as quais mais nos motivam para a leitura.”   

Patrícia 10H e Inês 10E, Escola Básica e Secundária de Anadia


Biblioteca Escolar: cria condições para a aprendizagem dos alunos no século XXI

Pedaços, memórias, pensamentos…o que aconteceu na BE ao longo do 2º período.
Num mundo em que a informação e a tecnologia estão em permanente mudança, é tempo de refletir…assim realizaram-se duas palestras ao longo do 2º período para alunos do 10º E, H, J e 11º H, I, J.
Foram abordadas com muito entusiasmo várias máximas, lições de vida para os jovens e cada um de nós. Assim destacam-se os seguintes pensamentos :
- Devemos desafiar o futuro no caminho da verdade valorizando os recursos que cada um possui. Temos de os descobrir e acreditar em cada um de nós. Nesse caminho as qualidades necessárias são a coragem, sabedoria, inteligência, loucura, força, cumplicidade, ousadia, fé, confiança, equipa, bravura, determinação, prudência e humildade para vivenciar as vitórias.
Agradecemos ao professor Rogério os momentos e os ensinamentos que proporcionou como palestrante.

domingo, 17 de fevereiro de 2013

Teresa Calçada nas Bibliotecas Escolares

A Coordenadora Nacional do programa da Rede de Bibliotecas escolares, Teresa Calçada visitou as bibliotecas do centro escolar de arcos, Biblioteca Municipal e da Escola Básica e Secundária de Anadia no dia 30 de Janeiro de 2013.

 
No Centro escolar foi recebida pelos alunos que desempenham a função de monitores da Biblioteca, colaborando assim com os professores bibliotecários.

 
 
Teve oportunidade de ver a forma ativa com que se trabalha a nível concelhio:
"a biblioteca pública e as escolares" desenvolvem um trabalho conjunto de parceria, embora não existindo ainda o portal.

 

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

Dossiê temático - Geologia


AÇÃO ANTRÓPICA NAS ZONAS COSTEIRAS
"O grande responsável pela situação de desequilíbrio ambiental que se vive no planeta, é o Homem. É o único animal existente à face da Terra capaz de destruir o que a natureza levou séculos a construir"

CONSTRUÇÕES NAS ZONAS COSTEIRAS
O Homem tem contribuído imenso para a erosão costeira de várias formas, mas as construções em zonas dunares e de falésia são aspetos relevantes deste facto.

As praias perdem espessura, deixando em suspensão certas construções, aumentando o declive das praias e diminuindo a sua extensão. A erosão costeira tem, ainda, outras consequências: a salinização dos aquíferos costeiros e o assoreamento de lagunas e estuários.
Ano após ano, vamos tendo notícia do desaparecimento de praias que o mar leva.
Torna-se, pois, importante efetuar um bom ordenamento do território, de modo a que se consiga manter a nossa costa livre de danos de maiores dimensões.


ESPORÕES, PAREDÕES E QUEBRA MARES

Tem como função salvaguardar temporariamente as construções/ zonas costeiras mas causam grande impacto a nível da movimentação das areias e do habitat de seres marinhos, nomeadamente moluscos e crustáceos.

Essas construções, destinam-se a evitar o efeito abrasivo sobre a linha de costa (paredões), evitar o arrastamento de sedimentos e areias (esporões) e ainda a proteger os portos da ação das ondas do mar (quebra-mar). Infelizmente, a construção destas obras protege uns locais mas agrava a situação nas zonas costeiras próximas desses locais, conduzindo à necessidade de novas medidas de proteção nessas zonas, numa espiral infindável de intervenções de proteção.
Atualmente muitos geólogos e organizações defendem a redução ao mínimo ou mesmo a eliminação destas construções de proteção, argumentando que o Homem deve respeitar a dinâmica natural do litoral. Em algumas situações, as obras de proteção do litoral, nome porque são conhecidas, não têm como objetivo principal proteger a costa, mas sim proteger a propriedade privada ou pública. O sucesso destas superestruturas é muito variável e constitui uma incógnita. Muitas intervenções de engenharia resultam num determinado local, mas transferem, ou agravam, o problema para outro lado. Outras medidas, como a alimentação artificial contínua das praias e a recuperação das dunas, permitem uma proteção mais eficaz e prolongada.

IMPORTÃNCIA DAS DUNAS NA PRESERVAÇÃO COSTEIRA
As dunas são montanhas de areia, criada a partir de processos eólicos (relacionados com o vento). Estas formações normalmente estão cobertas de vegetação fixadora que impede que as dunas sejam degradadas e destruídas evitando que todo o sistema dunar seja afetado negativamente. 

A areia nua facilmente seria arrastada para o interior do território, quer pela ação do mar quer, essencialmente pela ação eólica, podendo invadir e mesmo cobrir terrenos agrícolas, explorações, habitações e caminhos. Em épocas de tempestade podem mesmo ocorrer catástrofes em que o mar não encontrando obstáculos ao seu avanço, destrói culturas e construções que antes estavam protegidas pelas dunas.

Estes são fenómenos que todos os invernos acontecem e que acabamos por ser com eles confrontados pelo menos através dos media. Como forma de contrariar esses fenómenos indesejáveis todos nós, enquanto utentes das praias, deveremos ter comportamentos adequados no sentido de evitar a degradação das dunas: utilizar as passadeiras aéreas quando existam, caso contrário utilizar os trilhos já existentes sobre a duna (nunca traçar novos trilhos); não passear ou apanhar banhos de sol nas dunas, não andar a cavalo e de veículos motorizados; não colher a vegetação das dunas; chamar a atenção de amigos e familiares para a correta utilização das dunas; tomar conhecimento e respeitar a legislação que existe para efeitos de proteção das dunas;
também naturalmente a retirada das estruturas construídas que provocam a destruição da duna.
A proteção do ambiente começa em cada um de nós pela adoção de comportamentos corretos e educando os outros!
Em seguida serão apresentadas algumas plantas que devemos preservar e que constituem o coberto vegetal das dunas em Portugal!


                 

As condições de formação e a dinâmica geomorfológica das dunas revelam que estas são estruturas instáveis. A proximidade do mar atua como fator fortemente seletivo na instalação e crescimento da sua vegetação.

Aparentemente simples, este meio é, na realidade, deveras complexo e precário.

Não é por acaso que, no lado virado ao mar, se observa tão grande pobreza florística: as plantas costeiras estão sujeitas a ventos fortes carregados de partículas de sal, a luminosidades excessivas, a amplitudes térmicas que vão do sol escaldante do verão ao frio cortante do inverno. Isto provoca apreciável transpiração na planta, o que, conjugado com a grande permeabilidade do solo dunar, que deixa infiltrar rapidamente a água que nele cai, irremediavelmente a condena a um ambiente hostil de xerofitismo, ou seja, a um ambiente em que prevalecem as condições de secura.

BIBLIOGRAFIA (SITES DA WEB):